MERDA

Uma âncora
No mar
Minha vida
Não segue caminho
Dias passando
Noites alongando
Eu
Enrolando
Sem tamanho
Poços de incompreensão afundando
Não alcanço desejo traçado
Dentro de casa
Desgosto
Fora
Desgostoso
Ao acordar
Abro os olhos
Vejo vazio
Oprimido por mim
Volto a dormir
Obrigado a levantar por meu corpo doído
Faço de má vontade
Durmo tanto
Vejo
Minha mãe no corredor
Refletido nessa imagem
Não me gosto nem um pouco
Eee...
O pobre cachorro
Não pediu para estar ali
Preso
Acorrentado
Essa imagem esbofeteia-me o estômago
Triste cão
Nem sabe existir
Eu sei
Sei o negativo
Tour depressivo na casa onde moro
Deito na cama
Novamente
Ligo a televisão
Constato programas desprezíveis
Não desligo
Troco canais repetidamente
Digito números no telefone
Ela atende
Minha namorada
Milésimos de segundos
Milhares de coisas
Não anseio
Ela
Menos
Eu
Igual
Estilhaços
Momentos
Inseguranças
Desamores
Doenças afetosexuais derivadas de traições
Rios de mentiras contadas como dizemos boa noite, sorrindo.
É assim a primeira conversa do dia
Algo maior entre nós
Não finjo acreditar
Chuto o pau da barraca
Discutimos
Ironizamos
Frustramos um ao outro
Empurramos pra baixo do tapete
Gritando desligo o telefone
Na cara
Ou
Ao contrário
Ela prefere
Ironia
Dia comum
Igual aos outros
Namorada
Mãe
Fixando-me ao fundo do mar
Minha velha conduzindo a vida com desleixo
Desorganização estampada
Bagunça
Retratando vida não desejada
A namorada pensando enganar a todos
Enganando a si mesma
Deixando nós outros de cabelo em pé
Meu telefone toca várias vezes
Não atendo
Fujo do mundo
Pessoas iguais
Sem peculiaridades
Padronizadas
Deseducadas
Minha alma acostumou-se
Vida medíocre
Alimentação fast
Pior impossível
Não faço exercícios
Meu corpo reclama
Dia
Após
Dia
Semana
Após
Semana
Mês
Após
Mês
Sem fé na vida
MERDA!

Pablo Treuffar
Licença Creative Commons
Based on a work at www.pablotreuffar.com
A VERDADE É QUE EU MINTO

A VERDADE É QUE EU MINTO

6 comentários:

Anônimo disse...

DEPRE

Arlindo Campo

Anônimo disse...

DEPRE

Arlindo Campo

Gabriel Muzzi disse...

Muito bom!
Esse sentimento as vezes impera...É uma merda mesmo!

Anônimo disse...

Merda no teatro é sorte

Muita merda pra vc

Anônimo disse...

Talento nato, abraço.

Ossip disse...

Que testículo mais deprê...
Parece uma carta de despedida.
Será que o escritor cantou pra subir?
Texto bem fraquinho!