A DOENÇA É A DESCULPA DO CARÁTER

Abro a porta
Entro
Sentada no sofá
Minha irmã
Dou um tiro
Na testa
Ela cai
Morta
Um bem pra humanidade
Menos uma sanguessuga
Ando pelo corredor
Surge
Minha mãe
Apavorada
Outro tiro
Na testa
Ela cai
Morta
Menos uma injusta no mundo
Vou pra cozinha
Abro a geladeira
Pego o leite
Bebo
Dessa vez minha mãe não vai reclamar
Ótimo
Agora o leite é de quem quiser beber
Assim tem de ser
Comida para quem tem fome
Não só pra filhinha mimada
É
A filhinha mimada não vai poder bebê-lo
Eu
Não sei
Não sou doente
Posso ser tudo
Só não me chamem de doente
Sempre ouvi minha mãe ser doente
As pessoas diziam
“Sua mãe é doente, não é boa da cabeça.”
Cansei de ouvir isso
Ela era mau caráter!
Não é mais
Absolvi
Agora sou um justiceiro
A doença é a desculpa do caráter

Pablo Treuffar
Licença Creative Commons
A DOENÇA É A DESCULPA DO CARÁTER de Pablo Treuffar é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported.
Based on a work at www.pablotreuffar.com
A VERDADE É QUE EU MINTO

A VERDADE É QUE EU MINTO

19 comentários:

Anônimo disse...

To aki pra divulgar dois concursos literários que A Casa da Arte de Escrever está lançando.
Todos os dois tem primiação
Primeiro lugar R$2,000
Segundo lugar R$1,000
entrem no orkut para ver o regulamento

http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=5079155122319558017

Ou então entrem em www.clubedaartedeescrever.blogspot.com

Adiantando os temas

O primeiro concurso é na categoria redação com o tema violência carioca
O segundo concurso tem duas categorias contos/poesias com o tema livre

Tais

Anônimo disse...

Menino, um assassino de mâe .Vai com calam. ASSIM desperta ódio e curiosidades sucessivas nas entrelinhas poéticas, deve ser esse impacto q quer causar, sei lá, deixou-me com água na boca. Pois estava fora de órbita virtual.

Anônimo disse...

quem nunca quis matar um familiar?

Ana

Anônimo disse...

qro matar minha irma mais nova, muito chata

Anônimo disse...

se mata vc fdp

Anônimo disse...

Tarantino total

Greta Marcon disse...

Muitas vezes a doença é a desculpa de caráter. Acabei de passar por uma situação que me confirmou isso. vc é
um cara autêntico no que escreve.Admiro a sua coragem. Quero
te agradecer por ter visitado o meu blog e ter virado meu seguidor.
Ainda bem que tenho bom caráter e não sou chata... heheheh
Um beijo da Mamma Greta Marcon

Pablo Treuffar disse...

Dá vontade, ahhh se dá. Vlw pessoas

Redação - uma questão de estilo disse...

Interessante e...forte! Gostei!

... disse...

Vlw

Rosane Marega disse...

Oiee...somos tão diferentes...?
somos iguais...? mudam apenas o encaixe e a escrita das palavras...?
Sei la, vou acionar o botãozinho do FODA-SE TUDO, diferentes ou iguais estamos aqui no mesmo mundo
tentando encontrar o não sei o que pra levar nem sei pra onde, quem vai chegar primeiro? o mais burro? o mais esperto? juntos?
Hoje eu estava mal pra caramba, fui navegar pra distrair a cabeça e encontrei o teu cafofo...tai, gostei e vou ler mais...
Muito prazer Pablo, sou Rosane Marega do planeta SENSAÇÃO- uma poeta...? sei la, de repente uma mulher exageradamente rômântica que ama escrever o que sente, deseja...etc e quando não tiver nada pra fazer visita o meu espaço e por favor deixe a sua opnião porque ficarei curiosa em saber sua resposta ta...é isso...Beijos!
www.rosanemarega.blogspot.com

Anônimo disse...

Cara,muito bom. Pena que eu não tenho irmã. Esse está no seu livro? E como faço pra comprar seu livro?
Posso publicar esse conto também?
Sou seu fã cara. Verdade vomitada deveria ser o título de seu próximo livro.hehehe.
Abraço.

Anônimo disse...

Ah, postei como anônimo...

movidoaletras.blogspot.com

Rafael Freitas

Rafael Freitas disse...

Amanhã esse conto está no ar do movidoaletras. passa lá. abraço, até mais.

®i©k disse...

Sabe que isso dito assim me assusta?
Meu amigo sempre usa um termo para isso: "Índole má"!

Bem... minha mãe tem a má índole! Recuso-me a crer que aquilo seja apenas doença...
Mas, não me encaixo bem no papel do justiceiro, porque de todos os meus temores o maior é tornar-me igual a ela... É por isso que me mantenho distante, quanto mais longe possível; até nos pensamentos!

Metaforicamente é um poema muito intenso, mas não um bom exemplo (pelo menos para mim)... Vai que eu tenha má índole também!

Anônimo disse...

descabecei. minha enorme cabeçorra rolou colina abaixo, causando grande estrago. prédios ao chão, carros amassados, gritos, destruição.

logo, repito, o poema é bom.

Carlos Cruz

P. Treuffar disse...

Obrigado galerta

Gavine Rubro disse...

sem rodeios

um poema cinematográfico.

Adorei.

Gavine Rubro,
www.celularubra.blogspot.com

Anônimo disse...

A Vanda nem é tão surtada assim vai. HAUHAUAHUAHUAHUA E Mimada? Hmm, seria a Natasha?