PENSANDO NA MORTE - paranóia cardiopata de um viciado

Sentado no vaso sanitário do Braseiro na Gávea
Terrificado
Penso, logo desisto.
A qualquer hora, vou morrer.
Vou ter uma apoplexia
Derrame de merda
Derramo bosta
Aqui, eu sei.
Flatulências
Não posso mais com doce
Meu bestunto tá derretendo
Não consigo respirar
Sinto dores no coração
Compressão
Premonição
Vou morrer de uma parada cardíaca
Ataque de cardiopatia
300.000 batimentos por segundo
Tô nem aí
Bato outra carreira neste banheiro nojento
Onde estou, ensaio sensações.
Pavor, não nego, tenho medo da morte.
Engulo um ecstasy
Minha testa pinga
Ouço zumbidos
Zumbis
Fantasmas
A passagem pro além eu comprei nas bocas da vida
No trem da extinção, meu sombrio embarcou.
Embaçou, meu olho dói.
Ocularmente, pressionado.
Sinto, a visão vai explodir.
A foice vai me partir
Enfarte
Não
Eu não
Socorro!
Minha cachimônia lateja
Dores
Pontadas
Náuseas
Vômitos
Por fim, a morte vem me buscar.
Não realizei nada
Ninguém me ouviu
Não ouvi ninguém
Sei que vou morrer
Vai ser agora
Não levarei saudades
Vou embora

Pablo Treuffar
Licença Creative Commons
Based on a work at www.pablotreuffar.com
A VERDADE É QUE EU MINTO

A VERDADE É QUE EU MINTO

65 comentários:

A Mina do cara! disse...

eu estava ontem mesmo pensando que fazia tempo que não publicava nada aqui no blog.

cê não morre tão cedo... Rs

P. Treuffar disse...

Um por mês meu caro, um texto por mês.

Tô sem tempo, trabalhando muito e, o tempo q sobra é da minha pequena filhota, ainda com 3 meses.

Abço e obrigado por ler

Mila Lopes disse...

Olá Pablo!

Achei vc por aí nos blogs amigos, gostei do que li e vou ficar...

Bjs

Mila

Elaine Castro. disse...

Muitas vezes, ou todas acho que não fiz nada, não deixei nada!
Abraços.

Única e Exclusiva disse...

Homi pense não... vaso ruim não quebra! rs...

E agora com um ser dependente então... felicidades ;)

Mas, a sensação pensada foi sensacional!

bjs =*

MOISÉS POETA disse...

Um poema ¨maldito¨...
não é facil ser um escritor maldito.
porque nunca se sabe onde essa estrada vai dar.

por ver o fogo que aqui se alimenta,
sigo-te nessa estrada.

um abraço , meu velho !

P. Treuffar disse...

Fico feliz q tenha encontrado meus escritos Mila Lopes

É Elaine Castro. sempre temos essa impressão, obrigado por ler.

Falar o q de uma leitora tão fiel, sempre Única e Exclusiva.

MOISÉS POETA eu adoro ser maldito, envaidecido com seu comentário.

abços e bjs

Vampira Dea disse...

Pois é pensou, pensou e morreu no vaso. Viver antes que tudo acabe é a melhor pedida

Fabio disse...

Muitas vezes é melhor morrer do que viver, não levarei saudades, vou embora, traduz bem a idéia de uma humanidade vazia que não deixa saudades a ninguém. Mais um ótimo conto.

x Angelica x disse...

Eu já estava com saudades dos seus escritos, a tempos que não passo por aqui. Como sempre está impecável, parabéns. Parabéns tambpem pela filha linda, vi fotos pelo orkut. Abraço.

P. Treuffar disse...

Sim Vampira, tenho q concordar. Obrigado por estar aqui.

Fabio é isso aí, e tenho dito obrigado por ler.

Angélica, vc é sempre bem vinda, obrigado por estar sempre por aqui comentando.

Bjs e abço a todos

Tatuagem disse...

Melhor não pensar na morte. Ela vem e a gente nem percebe.

Muito bom!

Beijo

Tatuagem

Fernandão disse...

Te ouvi,
invejei.
Por quê?
Contemporizo demais...
Complacente demais.
Quisera ser como você
Rubem Fonseca?
Nelson Rodrigues?
João Ubaldo?
Charles Bukowski?
Henry Miller?
Não... agora é Pablo Treuffar

ThyMoCHenKo disse...

Pablo.

poema chapante cara, o cara se sente dentro da paranóia.

A passagem pro além eu comprei nas bocas da vida

lembrou uma passagem do ferreira Gullar. legal.

Paulo Laurindo disse...

Continuo seguindo tuas escatologias. Afinal, é visualizando-as que nos compreendemos tão frágeis.

José Lindomar disse...

Simplesmente Genial... E não fique achando que ser comparado ao Gulag, digo, a Gullar é grande coisa não, migo, pois sua poesia desatrelada de ideologias e contemporânea do amanhã é muito melhor que a dele... Alimento-me cardiomentalmente de tudo que escorre verbalmente dos seus dedos... Seus escritos inclusive me engravidam: gravidez intelectual, mas gravidez ainda e assim mesmo...

Desejo-lhe sucesso, muito sucesso...

Sérgio Filho disse...

Na minha "aborrecencia" eu conheci todas essas moças de família que você citou. (Risos)

Você é como uma lanterna diante das sujeiras da sociedade, não tem medo de iluminar e mostrar o que a maioria das pessoas prefere esconder, e isso é ótimo rapaz, para quem não tem medo da verdade, como nós.

Aquele abraço!

Eduardo Perrone disse...

O Treuffar tem uma coisa bem explícita: escreve como um carioca nascido depois do Rebouças... Isso fica claro no ritmo que ele impõem (sim, ele faz isso), reverberação do Baixo Gávea, da Prado Júnior... Um carioca irrecorrível escreve e pensa assim: Vai cuspindo idéias rápidas, que na verdade, pensou durante anos sobre cada uma delas. E vomita... Vomita porque a cidade partida, recém cerzida (em parte) pelo Capitão Nascimento (ironic mode on, please, tá?) exige certa ausência de lógica para funcionar. A Zona Sul carioca pede pelos sons das favelas para auto imolar-se de seus complexos de culpa. E o Pablo sacou isso já há tempos. Desanca putinhas patricinhas, mas as ama. Pensa na morte, teso por viver um pouco mais...

ODAIR SOUSA disse...

Pensamentos de um mundo decadente, que nos faz lembrar de uma vida mediocre e hipocrita no isolamento de banheiro. Abraços e conte comigo amigo.

P. Treuffar disse...

Fernandão, q isso, desse jeito não vou caber-me;
Rubem Fonseca?
Nelson Rodrigues?
João Ubaldo?
Charles Bukowski?
Henry Miller?
Não... agora é Pablo Treuffar
Acho q vou chorar
Brincadeiras a parte, obrigado de coração.

ThyMoCHenKo "A passagem pro além eu comprei nas bocas da vida" te lembrar ferreira Gullar, pqp caralho, realmente envaidecido.

Paulo Laurindo, obrigado pela assiduidade

José Lindomar Alimentar-te cardiomentalmente é tudo, te engravidar: gravidez intelectual, Ual. De fato suas palavras enlouquecem-me de alegria

Sérgio Filho, ser uma lanterna diante das sujeiras da sociedade, nossa, os comentários estação cada vez melhores. Obrigado por esse e todos os outros elogios em todos os sítios em q eu posto. abço e sorte.

Eduardo Perrone, como eu te disse, suas palavras me emocionaram como há muito não acontecia, eu não faria um auto retrato tão perfeito.

ODAIR SOUSA fazer lembrar de uma vida medíocre e hipócrita foi demais pra mim

Obrigado a todos por lerem

Hoje vai ter suruba do meu ego a enrabar-me

Fábio disse...

Salve Pablo,
Parabéns pelo poema, muito bom mesmo, forte e fluente, por mais agressivo que seja, é bem natural e isso me agrada.
É que tem Bukowski, Pedro Juán, ou mesmo o outro que eu não lembro o nome agora, o dos Morangos Mofados. Então não dá pra fazer como se fosse algo novo, essa de literatura marginal.
baixo do sol, nada de novo, é claro, e isso desde que o mundo é mundo, e mesmo assim seu poema consegue ser muito próprio. Parabéns.
A última vez que senti isso lia Nelson Rodrigues.

Camila disse...

Estou entre te achar nojento ou gênio.
(parabéns!)

☆Débora disse...

Uiaa ''A realidade é mais brutal que a literatura''gostei disso $r. rsrs

o texto é bem construído e me atraiu a ler
tem uma boa estrutura apesar de tambem não apreciar esse tipo de leitura.
Ficou bom!(y)

Pedro Menuchelli disse...

Eu sempre gostei de poesia, mas nunca me dei muito bem com a escrita. Sempre achei um tanto quanto complicado e tal.. mas enfim, gostei demais do seu blog e por isso estou a seguir, ok? Um grande abraço!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Fly disse...

Não gosto desse tipo de leitura, mas foi muito bem desenvolvido. Me lembrou Rubem Fonseca.

José Geraldo disse...

Embora eu não aprecie o estilo gratuito de violência que você emprega, não deixo de notar uma certa lógica no desenvolvimento do personagem. Não é um texto aleatório. Há um cálculo até mesmo na escolha das palavras, é o que parece.
Não é o tipo de texto que eu gosto, mas dá para perceber que é bom.
Gosto desse tipo de contravenção em escrita,
que choca,imobiliza,impondera...

Thais. disse...

As vezes olho pra tras e vejo que não fiz nada mesmo! Dá um aperto no coração.....
Já estou seguindo.

Rafael Freitas disse...

O medo da morte só vem quando temos filhos não é Pablo? RS. E paranóia de loco é pior que a morte. Grande abraço.

ૐ RaiBlue's ♫♪ disse...

"A poesia é a arte de comunicar a emoção humana pelo verbo musical", (René Waltz, apud Massaud Moisés, A Criação Literária - Poesia, Ed. Cultrix).

"A poesia é a expressão natural dos mais violentos modos de emoção pessoal", (J. Middleton Murry, apud Massaud Moisés, op. cit.) A poesia é o "extravasar espontâneo de poderosos sentimentos", (William Wordsworth, prefácio à segunda edição de Lyrical Ballads, 1800).

poeta americano Robert Frost (1874-1963), que escreveu "The road not taken", define poesia como: "o que ficou para trás na tradução". Ou seja, quando houver dúvida sobre se um texto é ou não poesia, basta traduzir. O que passou pela tradução é prosa, o que não pôde (e não pode) ser traduzido é poesia.

dja disse...

ola, achei seu blog, vindo de um amigo, parei e ainda não consegui parar de ler, volto novamente, pra ler mais um pouco de vc. virei sua seguidora, bjos um restante de semana pra vc, cheia de sucesso, se cuida.

P. Treuffar disse...

dja, fico muito feliz de vc não conseguir parar de ler-me

RaiBlues falou e disse, obrigado por comentar.

Rafael Freitas, muito obrigado por ser tão assíduo leitor de meus textos. Sim com uma filhota tudo muda.

É Thais é uma impressão recorrente no ser humano, obrigado por ler.

José Geraldo, perceber que é bom e gostar desse tipo de contravenção em escrita,que choca,imobiliza,impenderá me deixa muito contente. Obrigado por vir aqui também.

Fly, Rubem Fonseca, qnta honra.

Pedro Menuchelli, muito o brigado por gostar demais.

A realidade é mais brutal que a literatura Débora, vlw por estar aqui.

Camila, eu prefiro nojento.

Porra Fábio, última vez que vc sentiu foi lendo Nelson Rodrigues, pqpdaporradocaralhoa4, foda isso, envaidecido de verdade.

Marli Boldori disse...

Quanta leitura especial,que beleza.Li sobre o lançamento do livro,pena que nada acontece em Curitiba,RIO fica mais difícil.Um abraço!

João Bosco Maia disse...

Vagando nessas tantas ruas virtuais, encontrei tua porta de amante das Letras aberta - e entrei. Devo anunciar-me como um desses que diz "Oi, de casa! Trago aqui em minhas mãos a chave para dias melhores: escrevo e vendo livros!". Assim, venho te convidar para visitar o meu blog e conhecer as sinopses de meus romances, a forma de adquiri-los e, posteriormente, discuti-los. Três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
Um grande abraço literário,

João Bosco Maia

P. Treuffar disse...

Marli Boldori, ta tranks, vai vender pelo sito da editora, depois te mando o link, obrigado por gostar.

Vlw João Bosco Maia

submissa flor de cristal{LB} disse...

Caraca meu pai do céu, que coisa doida isso tudo aqui, eu simplesmente amei!!! Se vc me perguntar se entendo de poema, texto bem elaborados, poesia fina, repondo alto e bom som que, NÃO!!

Mas quando leio algo que meu coração vibra,meus pensamentos discontrola, ai meu querido Pablo Treuffar, pode acreditar que vou sim, puxar a cadeira me sentar tranquilamente sem pressa de sair. E foi isso que aconteceu, adorei te ler.

Lendo vc aqui neste poema me lembrei da musica dos Titãs, Pulso na letra o Arnaldo diz assim..."O pulso ainda pulsa
E o corpo ainda é pouco
Ainda pulsa
Ainda é pouco" Legal isso, não é ?

Legal mesmo foi vc me seguir, pq é um prazer enorme segui-lo tbm !
Seja bem vindo!

Pablo, te desejo um maravilhoso Natal e por favor, NÃO morra, tá ? rsrs...

Beijokas,

flor de cristal{LB} .

Antônio Henrique disse...

Olá PABLO, Obrigado por me seguir.
vai ser um prazer está acompanhando o seu blog,
muito bom por sinal, bons textos e um designer elegante.
vale realmente conferir, fico feliz por me seguir.
vou colocar em meu blog, um direcionamento do seu
link para que através de suas atualizações eu esteja te
acompanhado.
luz na sua vida e que a troca de experiências seja ótima
para ambos.

gabyshiffer disse...

Obrigada pela visita no meu
interessante o seu texto, doido
mto louco e legal.
Forma esquisita de morrer

Parabéns pela filhotinha...

Bom findi pra vc
T+

Paco Merlo Ansin disse...

Aquí encuentro la paz que busco, aquí te encuentro a tí y tu sabiduría. Gracias!

Janaina Cruz disse...

Um não suportar a sobriedade da vida, e entregar-se nas mãos eufêmicas elucinógicas. Tudo isso derramada na poesia brilhantemente arquitetada.
Gostei, sigo-te para poder voltar mais vezes.

P. Treuffar disse...

Submissa flor de cristal muito obrigado por comentar, por gostar. bjs

Antônio Henrique muito obrigado

gabyshiffer, vlw, adoro ser louco.

Paco Merlo Ansin, muito obrigado.

Janaina Cruz, envaidecido com suas palavras.

DiAfonso disse...

Olá, Pablo! Bom dia!

Desculpe-me usar este espaço para não comentar a publicação. Na verdade, que queria saber se você integra a equipe da Rede Brasil Atual.

Abs!

meu end. diafonsoport@yahoo.com.br

marcos assis disse...

peças do acaso: um texto que me enviaram hoje! :

Embriagar-se


"É preciso estar sempre embriagado. Aí está:
eis a única questão. Para não sentirem o fardo horrível do Tempo que
verga e inclina para a terra, é preciso que se embriaguem sem descanso.
Com quê? Com vinho, poesia ou virtude, a escolher. Mas embriaguem-se. E
se, porventura, nos degraus de um palácio, sobre a relva verde de um
fosso, na solidão morna do quarto, a embriaguez diminuir ou desaparecer
quando você acordar, pergunte ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro,
ao relógio, a tudo que flui, a tudo que geme, a tudo que gira, a tudo
que canta, a tudo que fala, pergunte que horas são; e o vento, a vaga, a
estrela, o pássaro, o relógio responderão: "É hora de embriagar-se!
Para não serem os escravos martirizados do Tempo, embriaguem-se;
embriaguem-se sem descanso". Com vinho, poesia ou virtude, a escolher."

Charles Baudelaire

albuquerque júnior disse...

[essa sensação é característica dos usuários "botequinovênicos"... banheiro de bar nos aproxima da morte, geralmente... rsrs

mas a prosa é muito bacana!

té breve...]

J Araújo disse...

Que nesse natal, possamos rever o nosso passado para melhorar o nosso futuro. Que Deus nos abençoe e brilhe com sua luz perante você, abrindo o caminho até Ele!
São os votos de J Araújo

Marisa Mattos disse...

Pois é...Já é Natal...e ao contrário de uma grande porção de pessoas e contrariando também um passado pobre...sempre me alegro nesta época do ano...É natal de novo...tomara que o aniversariante esteja sempre em nossos corações.Feliz Natal!

dear sarah disse...

Prefiro não pensar nela.

*Mi§§ §impatia* disse...

O Natal chegou. Com ele nossas esperanças, nossos novos sonhos. Que nossas esperanças estejam sempre vivas, e que nossos sonhos tornem-se realidade. E que neste Natal o amor, a fé e a esperança estejam presentes em cada um de nós, que a cada novo dia do ano que está para começar estejamos iluminados. Feliz Natal, para você e a todos os seus familiares.

Beijos no coração.
Miss Simpatia.

Alex Wildner disse...

É isso aí, Pablo, força, força, força... fóóóóórça!!!

Vamos gritar, cara, vamos gritar:

Nao nos adore, nos persiga!!!!!!

P. Treuffar disse...

Vlw meu guru Alex Wildner é isso mesmo, não qremos q nos adorem e sim q nos persigam

Miss Simpatia vlw

Dear Sarah... hehehe melhor assim

Marisa Mattos obrigado por estar aqui

Obrigado J Araújo

Albuquerque Júnior é verdade, obrigado por gostar.

Marcos Assis, mandou bem no Baudelaire.

DiAfonso, use o espaço como quier.

José María Souza Costa disse...

Parabens pela postagem
Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Gabriel Duarte disse...

Nossa admiro muito seu blog, sou novo em relação a blog, já estou seguindo aqui se poder passa no meu ? Grato: Feliz ano Novo.! http://gabriellduarte.blogspot.com/

P. Treuffar disse...

Vlw José e Gabriel, obrigado por lerem.

Glorinha L de Lion disse...

Pablo, adoro seus versos satânicos! rsrsrs amo mesmo, de paixão! Vc é muito bom, cara! bjs,

João Bosco Maia disse...

Vagando nessas tantas ruas virtuais, encontrei tua porta de amante das Letras aberta - e entrei. Devo anunciar-me como um desses que diz "Oi, de casa! Trago aqui em minhas mãos a chave para dias melhores: escrevo e vendo livros!". Assim, venho te convidar para visitar o meu blog e conhecer as sinopses de meus romances, a forma de adquiri-los e, posteriormente, discuti-los. Três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
Um grande abraço literário,

João Bosco Maia

P. Treuffar disse...

vlw João

Elizabeth F. de Oliveira disse...

Uma realidade masculina e poeticamente bem colocada... no sanitário. rs

O poeta é assim, faz do lugar comum, o banheiro, por exemplo, algo poeticamente incomum.


Adorei! Gosto do modo como se expressa. Você tem uma maneira muito singular de se expressar. Tem identidade! E isso é o diferencial.

beijo no coração

P. Treuffar disse...

Muito obrigada Elizabeth F. de Oliveira, suas palavras me envaidecem

Venna disse...

hum.. isso até pareceu baseado em fatos reais...mas espero verdadeiramente q nao seja! ;)
Boas palavras..consegue transportar-nos para o ambiente do enredo facil facil..parabens!

Patrícia disse...

Mau-humor engraçado, intenso, palavrões... adoro esse estilo!

Seguindo.
Beijo

Rafael Freitas disse...

E aí Pablo. Publiquei esse texto em meu blog. Super experiência de vida...rs. Abraços, sorte e paz.

P. Treuffar disse...

Vlw Rafa

LUZ disse...

Bom-dia Pablo,
Sei que não irá ler esta mensagem, ou a lerá daqui a uns meses. Quando for, será.
Não tenho pressa. O tempo esperará por mim. Você é um "marginal" da cultura e da sociedade, que às vezes, precisa ser espicaçada.
Por esse mundo fora temos tido Sartre, Bocage (portugês) e Pablo.
Embora me considere serena, mas não acomodada, os meus parabéns pelo seu intervencionismo.

LUCIENE RROQUES disse...

Geralmente eu faria uma reflexão sobre essa tragedia toda dentro de um ambiente tão singular. Mas já não poderei fletir, a morte se deu por reflexo de tudo.
Um abraço!

efa disse...

Me gusta tu lírica paranoica, directa, sin tanto eufemismo.
Me quedo leyéndote.
Salud
Espero cruzarte en Matinée